quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Tudo sobre A reforma do ensino médio

Tema de muitos murmurinhos entre os estudantes que estão indo para o ensino médio, alguns empolgados, outros com receio, alguns não entendem o que irá mudar.

Quando de fato essa Reforma do ensino médio será implementada? Será que vai trazer benefícios para a educação brasileira o novo ensino médio? É verdade que professores serão demitidos? O intuito disso é economizar ou enriquecer a educação? Alguns dizem que será apenas um meio de criar "simples trabalhadores" e incentivará a pararem no ensino médio técnico. Verdade? Mentira?

Vamos tentar entender como funcionará a Reforma do Ensino Médio. O que ficou definido na reforma? Como ressalta o Site G1:
"A reforma flexibiliza o conteúdo que será ensinado aos alunos, muda a distribuição do conteúdo das 13 disciplinas tradicionais ao longo dos três anos do ciclo, dá novo peso ao ensino técnico e incentiva a ampliação de escolas de tempo integral."

Essa "flexibilização" irá ocorrer da seguinte forma, 60% do curriculo do Ensino Médio será definido pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e 40% serão flexíveis. Entretanto somente Matemática, Lingua Portuguesa e Inglês serão disciplinas obrigatórias nos três anos do Ensino Médio.

Com a reforma surgem os chamados Itinerários formativos, que são cinco e dividem as disciplinas em especies de blocos. São eles:

- Linguagens e suas tecnologias;
- Matemática e suas tecnologias;
- Ciências da Natureza e suas tecnologias;
- Ciências Humanas e sociais;
- Formação técnica e profissional.

Termos que são até que conhecidos dos estudantes que já sabem como é o enem, pois é assim que são divididas as disciplinas dentro da prova.

De acordo com o Jornal online O POVO:
"A MP prevê ainda que o calendário escolar será dividido em semestres, não mais em anos. Assim, a cada seis meses o aluno terá a possibilidade de trancar a matrícula e retornar, quando for conveniente, de onde parou. Além disso, a reforma atinge diretamente os professores: conforme o texto, podem ser contratados 'profissionais com notório saber para ministrar aulas em disciplinas da parte técnica e profissional do currículo'."

Ainda de acordo com o Jornal O Povo, os estudantes poderão:
"...escolher as disciplinas que querem estudar — desde que estas componham as quatro áreas de conhecimento exigidas pelo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem): Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza e Ciências Sociais e Humanas."

Analisando esses dois trechos podemos concluir que o impacto será em todo âmbito escolar, desde a escola em si, professores, alunos e até mesmo universidades. Há um intenção nítida oculta nesta Reforma do ensino médio. Vamos por partes. Contratar profissionais com "notório saber" para ministrar aulas, serve apenas para a desvalorização do professor graduado e para economizar contratando um profissional sem formação especifica.

Isso infelizmente irá gerar uma fuga das universidades no campo das licenciaturas, pois é uma profissão que cada vez mais fica nítida sua desvalorização e sua futura dificuldade em trabalhar, lembrando que a Reforma do Ensino Médio fará parte não só da grade das escolas públicas como também das escolas particulares.

Os alunos poderão focar nas disciplinas que mais lhe "agradam" ou que tem afinidades. Chutando uma porcentagem que me parece plausível, eu diria que 50% dos estudantes que entram no ensino médio, sabem bem que profissão querem seguir, e, essa flexibilização irá de fato ajudá-los muito, pois poderão focar nas disciplinas que de fato vão precisar na carreira que escolherão.

Mas como todo adolescente, eles são muito instavéis e movidos pelas novidades e mudanças do meio em que estão. Nós que já fomos adolescentes sabemos bem disso. Eu com meus 27 anos, até hoje mudo muito de opinião a respeito de coisas que acredito ou acreditava. Pense comigo, e se um adolescente entra convicto de que quer seguir na area de exatas e escolhe somente disciplinas neste enfoque. Ao chegar na Universidade, percebe que cometeu um erro e não gosta de exatas mas de humanas. O que fazer? sua formação ignorou boa parte deste campo. Seus conhecimentos estão então defasados. Há então uma corrida para recuperar o que foi perdido.

Muitas pessoas em foruns e redes sociais, especulam que essa mudança no Ensino Médio visa, além de outras coisas, formar trabalhadores "braçais", como cita o site Multi Ciências:

“Acredito que a reforma acabe enfraquecendo esse ensino propedêutico, mais do que já está. A reforma vai formar pessoas que só pensarão em trabalho, mas que não terão conhecimento tecnológico. Então, vai acabar distanciando as classes populares das classes mais abastadas. Com a reforma, a universidade vai formar os engenheiros de cada área. Já as escolas técnicas os trabalhadores braçais, declara o professor."


Pra quem lembra um pouco de história, essas "retiradas" de algumas disciplinas,lembram muito o periodo da Ditadura Militar no Brasil, onde disciplinas especificas foram retiradas das grades curriculares pois incentivavam os estudantes desenvolverem um pensamento mais abstrato e analitico quanto a sociedade em que vive.

A Reforma incentivará o estudante a pegar seu diploma do ensino médio e ir direto ao mercado de trabalho, muitas vezes de forma precoce. O que fará com que muitos parem sua formação ai. Por conseguinte aumentará a lacuna entre a classe mais pobre e a classe média e alta que terá uma formação mais completa.

Está previsto para 2020 a implementação desta Reforma. Mudanças também ocorrerão no Enem. Espero que o futuro da Educação Brasileira seja fortalecido, independentemente das mudanças que ocorram. Nossas crianças merecem terem uma educação rica e de qualidade.

Se você ficou interessado nesse assunto ou acha que as informações aqui não estão completas, acesse os sites abaixo para mais informações:




Reforma do ensino medio como e





Nenhum comentário:

Postar um comentário